sábado, fevereiro 17, 2007

CARTAS DE AMOR

Sei que há muito te não 'screvo
Sei que há tanto te perdi
E sabendo que não devo
Digo que não, mas escrevo
Desde o dia em que te vi...

E posso lá eu parar
De te escrever meu amor?
Não tenho mão no amar!
Como poderei viver
Um dia, sem te escrever
Se te não posso falar?!

E que futuro haverei
Se não puder escrever
E sem te poder olhar?
Como é qu'eu poderei
Resistir a tanta "lei"
Que teima em nos apartar?!..

Maria Mamede

4 Comments:

Blogger lena said...

doce poeta Maria Mamede, mais um dos teus belos poemas, onde o amor é o sentir dos teus versos

cartas de amor,
há sempre alguma que fica por mandar, ou que não chega ao destino desejado...

a tua poesia é envolvente e consigo falar com ela

parabéns Poeta, pelas tuas partilhas, sempre excelentes momentos

abraço-te com muita ternura

beijinhos muitos

lena

12:32 da tarde  
Blogger Conceição Bernardino said...

Boa noite,

Eu não sou de ninguém!... Quem me quiser
Há-de ser luz do Sol em tardes quentes:
Nos olhos de água clara há-de trazer
As fúlgidas pupilas dos videntes!
“ Flor bela Espanca”

Esta é a forma que eu encontro para comentar
A mais pura a que eu vos quero entregar
A minha amizade...
Conceição Bernardino
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

12:11 da manhã  
Anonymous blugaridades said...

" Carta Nunca Escrita" um poema de Lume que me deixou fascinada. "Eu queria escrever-te, amor..."

Tal como este " Cartas de Amor" tens um fabuloso manancial de poemas ... de amor.
Arrebatadores!

Beijosssssssssssssssssss

11:30 da tarde  
Anonymous Bárbara(BB) said...

Meu amor, agora até me fizeste vir as lágrimas aos olhos...
FANTÁSTICO!

2:06 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home