domingo, novembro 19, 2006

MEU AMOR, MEU AMOR

Foste pão da minha fome
Foste água da ribeira
Foste mágoa, foste nome
Foste fogo na lareira...
Ai meu amor, meu amor
Que esperei a vida inteira...

Foste rio, céu de espanto
Foste fonte, verde prado
Foste bem-querer, foste tanto
Foste amante, namorado...
Ai meu amor, meu amor
Que tempo tão sem cuidado...

Foste esperança, foste vida
Festa de amor, de carinho
E foste Terra esquecida
E eu pássaro sem ninho...
Ai meu amor, meu amor
Que perdi pelo caminho!...


Maria Mamede

7 Comments:

Blogger Maria said...

Que poema mais lindo, que amor mais lindo!
Um amor assim merece mesmo ser cantado
Dois beijos

1:03 da tarde  
Blogger Rosa Brava said...

"Foste esperança, foste vida
Festa de amor, de carinho
E foste Terra esquecida
E eu pássaro sem ninho...
Ai meu amor, meu amor
Que perdi pelo caminho!..."

Fabuloso!

Adorei.

Beijinhos e fica bem ;)

3:32 da tarde  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Tão transparente como um riode água limpída.
Gostei!

Um abraço carinhoso e até sábado ;)

3:44 da tarde  
Blogger Velutha said...

Lindo, Maria! Fascinante! Comovente!
Canta este amor, sempre!
Vou reler.
Beijinhos. Bom domingo

9:42 da manhã  
Blogger De Amor e de Terra said...

Minhas queridas Meninas,
obrigada pelo vosso passeio pelo meu jardim onde o Amor se junta à Terra e lhe serve de adubo.
Obrigada pelos vossos comentários.
Dão-me incentivo!
Beijos e até breve, nas vossas casas.

Maria Mamede

6:40 da tarde  
Anonymous {{coral}} said...

Belo poema, tanta emoção, tanta magia, tanto amor.
Adorei o poema.
Voltarei sempre a este cantinho.

Um beijo
{{coral}}

5:44 da tarde  
Blogger De Amor e de Terra said...

Olá boa noite. Vim agradecer a vossa paddagem por este meu canto.
Beijos de amizade da

Maria Mamede

9:11 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home