sexta-feira, outubro 31, 2008

BALADA

Canto-te
na madrugada suave
rente ao chão da dor
na canção de embalar
que a cotovia escreve
em pautas de azul...
canto-te
na chuva miudinha
que o ocaso me oferece
como fossem lágrimas
por mim e por ti
nas ironias do poente...
canto-te
e pinto de harmonia
as intermitências do sopro
no amanhã do vendaval
enquanto é verão
e o inverno é futuro!...


Maria Mamede

16 Comments:

Blogger Sophiamar said...

"Canto-te
na madrugada suave
rente ao chão da dor..."

Querida amiga, a tua poesia, ainda que fale de dor, de saudade,é sempre um lenitivo para a alma. Neste espaço, reinam a calma, a amizade, a paz, a saudade...
É casa de poeta! Sente-se!
Leio-te com muito gosto, com um prazer indescritível por palavras.
Deixo-te um abraço amigo e um beijinho grande.

Bom fim de semana!

10:57 da manhã  
Blogger Filoxera said...

Que beleza, cantar alguém assim...
Beijos.

7:01 da tarde  
Blogger Bichodeconta said...

Deliciosas estas palavras poéticas..Magia que se solta de ti.. Parabéns, é sempre tão gratificante passar por aqui..bom domingo, um beijinho, ell

7:24 da tarde  
Blogger Meg said...

Maria Mamede
E é nas imagens que as palavras transmitem, que me perco.
...canto-te
e pinto de harmonia
as intermitências do sopro
no amanhã do vendaval
enquanto é verão
e o inverno é futuro!...

Lindo, Maria!

Beijos

8:39 da tarde  
Blogger Alexandre said...

Por vezes pergunto-me se não haverá por aí nenhum cantor que saiba aproveitar estes poemas... estas dádivas construidas com palavras e sensações...

Muitos beijinhos! Bom domingo!!!

12:53 da manhã  
Blogger elvira carvalho said...

Depois da cirurgia, estou voltando aos poucos.
Lindo o seu poema.
Um abraço e bom Domingo

2:54 da tarde  
Blogger Maria said...

Só se canta assim quando se ama muito, quando se ama tanto...

Beijinho, Maria

5:26 da tarde  
Blogger O Profeta said...

A Lua sangra no celeste
Aprisionada está a razão
Olhos sem a virtude da luz
Uma fria pedra no coração

Um banco de jardim
É leito do rei da sarjeta
Almofada de encardido cartão
Acomoda esta carcaça inquieta



Bom domingo



Mágico beijo

11:39 da tarde  
Blogger Brancamar said...

Olá Maria Mamede,

Linda a sua balada, sentida, plena de saudade.
Senti-me em sintonia.
Deixo-lhe um beijinho.
Branca

12:42 da manhã  
Blogger Graça Pires said...

Uma balada tão "rente ao chão da dor"...
Um beijo.

1:13 da tarde  
Blogger Lmatta said...

gostei da tua balada
beijos

8:56 da tarde  
Blogger Sophiamar said...

Vim deixar-te um abraço apertado e um beijo de amizade.Ler é um prazer e aqui é um prazer redobrado.

Bem-hajas, amiga.

5:24 da tarde  
Blogger Ana said...

Inconfundível a forma de cantar o sopro da poesia.
Um beijo , Maria.

1:55 da manhã  
Blogger batista said...

que beleza de canto!

1:26 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

E cantas tão bem assim...muitos beijos.

7:45 da tarde  
Blogger Helena Peixoto said...

Olá Maria Mamede,

Por momentos ao ler este belissimo poema havia musica no ar... aquela música de magia que só acontece quando encontramos poemas de rara beleza... Parabéns!

Beijinhos
Feliz 2009

5:25 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home