segunda-feira, fevereiro 23, 2009

DECLARAÇÃO

Olá a todos.
Às vezes, tentando mudar o tipo de escrita, acontecem coisas curiosas.
Dessas experiências, nasceu um dia um livro, ainda não publicado, ao jeito de Poesia Trovadoresca, do qual vos dei a conhecer o poema do meu post anterior e este agora.
Como sempre, esperarei as vossas apreciações, abraçando-vos com ternura.

Maria Mamede




DECLARAÇÃO


Aman
meu senhor da nostalgia
rejubila de alegria
meu coração, por vos ver
e meus olhos a seu jeito
é que me saltam no peito
Vossa Mercê pode crer!
Não sei que digo, que faço
se sim ou não vos enlaço
num abraço tão esperado
meu senhor da nostalgia
acha Vossa Senhoria
que amar assim é pecado?!
É o tempo cousa beve
quem dera fosse, ao de leve
pousar na minha janela;
apanhava-o de repente,
Vossa Mercê pode crer
e poria trancas nela!
Depois, era só olhar-vos
e não parar de vos ver!...


Maria Mamede

19 Comments:

Blogger Luísa said...

Se pede opinião, merece um mimo de alento:
- escreva, escreva, escreva!É belo o que se lê por aqui!

11:04 da manhã  
Blogger Graça Pires said...

Uma tarefa difícil, mas a ser bem conseguida. Um beijo.

12:26 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Nada fácil, Maria! Mas excelente...beijos.

12:45 da tarde  
Blogger Patrícia said...

Maria, eu sou suspeita para falar pois adoro poesia e quando é escrita com sentimento, ainda mais me apraz lê-la.
É sempre um prazer ler o que vai na alma, sentir o que sente uma poetisa no seu coração de versos.

Continue a escrever, virei sempre que puder para me render ao seu mundo.

Beijinhos
Patrícia =)

1:11 da tarde  
Blogger Arménia Baptista said...

É de facto curioso e interessante...Por vezes gostava que ainda se falasse assim...;))
Parabéns e acho que deve continuar com o estilo.

3:48 da tarde  
Blogger Maria said...

Uma bonita cantiga de amor (mais uma).
Porque não publicas esse livro?
:)

Um beijo grande, Maria Mamede

6:08 da tarde  
Blogger MPereira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

7:58 da tarde  
Blogger tinta permanente said...

Jeito assim ao jeito de cantares de amigo...
Belo!

abraços!

8:13 da tarde  
Blogger Cata-Vento said...

Uma cantiga de amigo! Força, Maria Mamede! O poder encantatória das tuas palavras é fascinante.

Beijinhos

Bem-hajas!

10:27 da tarde  
Blogger Belisa said...

Olá
está espectacular nos dizeres e nas palavras.Excelente!
Beijos estrelados

1:28 da manhã  
Blogger Ana said...

Declaro ... que gostei da experiência da "nova" forma de escrita.
Espero ler mais, Maria Mamede.
Um beijo com amizade.

2:00 da manhã  
Blogger Cotovia said...

...uma tarefa dificil escrever com tanta agilidade. Uma palavra apenas:

PARABÉNS!

7:14 da tarde  
Blogger contracena said...

"cantiga de amigo"..., "cantiga de amor"..., mas não de escánio e maldizer.
... e assim nasceu um livro. Porque não dar-lhe "vida"?
Esta DECLARAÇão é bela.
Um estar nostálgico, mas feliz (contradição possível)

Um beijo.

8:04 da tarde  
Blogger Cadinho RoCo said...

O tempo que flui entre os hábitos é o mesmo que eterniza costumes.
Cadinho RoCo

8:35 da tarde  
Anonymous Vo-Miquinho said...

Eu sabia que já tinhas andado lá pela Idade Média. Em que século? No tempo de Afonso X de Castela ou do nosso D. Dinis?
Parabéns. Como não posso ser trovador, serei com muito gosto o teu jogral.
Bjs

11:04 da tarde  
Blogger FERNANDA & POEMAS said...

QUERIDA MARIA, UM BELÍSSIMO POEMA... DIGO MAIS... SUBLIME ESCRITA AMIGA... CONTINUA, VAIS NO CAMINHO CERTO!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

12:03 da manhã  
Blogger Carla Silva e Cunha said...

gostei do que vi e li
parabens pelo trabalho
boa semana
beijinhos
Carla

8:03 da tarde  
Blogger Lmatta said...

lindo como sempre
beijos

5:12 da tarde  
Blogger tinta permanente said...

Queria mais!...


abraços!

6:13 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home