terça-feira, agosto 02, 2011

DENTRO DE MIM

Dentro do meu peito
um areal
praia de um dia
na viagem
que fiz cá dentro
e na coragem
que tive de mostrar
no temporal.
Dentro de mim
os versos
que tive d’escrever
‘té à tortura
e que sendo versos
de ternura
são dor, da seda
ao cotim…
e são tortura
da sandália ao salto alto
do tamanco rapelhado
à bota d’água
meus versos feitos choro
feitos mágoa
das noites de chuva
ao céu estrelado
da poeira do trilho
ao alcatrão
meus versos, todos, todos
mar de chão
meus versos paridos
como um filho
meus versos de pecado
e de perdão
e da fita de seda
ao pobre atilho;
ó versos natureza
na vertente
da água que corre
da nascente
ao mar, nesta praia
solidão
eu vos amo
como amo o sangue
que meu coração
a palpitar
faz jorrar, faz correr
faz jorrar!...


Maria Mamede

4 Comments:

Blogger Filoxera said...

Um poema lindo.
Completo, cheio de tudo o que é a vida. E de ritmo.
Parabéns.
Beijinhos.

7:57 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Viagem ao centro da alma...
Um belíssimo poema.
Beijos.

11:00 da manhã  
Blogger Fa menor said...

De versos se faz a vida
uns dias tão magoada
tão sofrida
outros pela estrada
repetida
de sol
de chuva
de mar
ou colorida
tantas vezes mal-amada
incompreendida
mas caminho de jornada
e sempre querida

:)

dentro do peito sempre a vida.

Gostei muito do teu poema que me inspirou.

Bjos

5:04 da tarde  
Blogger Isamar said...

Haverá quem não ame os teus versos?" Paridos" com alma, com inspiração, com encanto... são um fascínio para todos nós.

Beijinhos

Bem-hajas, Maria Mamede!

11:10 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home