sexta-feira, dezembro 02, 2005

RETRATO DE FAMÍLIA

Altas horas;
Do céu do meu espanto
Desprende-se uma estrela
Que vem iluminar o retrato a sépia
Na cómoda da Avó
E a família ressuscita...
Conversamos, tomamos chá de jasmim
E entre fatias de bolo de maçã
Trocamos novidades...
Fingem não saber da partida de alguns
Porque as lágrimas afloram aos meus olhos;
Falam de banalidades
E riem, com riso manso
De memórias antigas como nós...
Juntos relembramos cheiros e sabores,
Cores e formas de tempos felizes
Com campos férteis a perder de vista
Regatos de água cristalina,
E rãs coaxando na presa da Lavandeira...
Esquecidos do tempo, não vemos
Que a auroara se insinua
E a ultima estrela deixou de brilhar...
De repente
Atiram-me beijos
E voltam ao retrato;
Eu, descubro uma réstia de sono
E envolvo-me nele...
E ao acordar
Faço de conta que sonhei com a família
No retrato a sépia
Na cómoda da Avó!...

Maria Mamede

1 Comments:

Blogger Menina_marota said...

"...Juntos relembramos cheiros e sabores,
Cores e formas de tempos felizes
Com campos férteis a perder de vista
Regatos de água cristalina,
E rãs coaxando na presa da Lavandeira...
Esquecidos do tempo, não vemos
Que a auroara se insinua..."


Lindo... adorei a suavidade deste Poema

10:33 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home