sábado, fevereiro 28, 2009

CANTIGA DE AMIGO

Quem dera meu cavaleiro
fosse esta a cidade
de muralhas interditas
a tudo que é inimigo...
e que dera meu Amigo
fosse minha, fosse vossa
pra que esta cousa nossa
a pudesse eu ofertar
ao Deus que olha por nós...
como eu queria estar a sós
convosco, ó meu senhor
e quanto bem vos daria...
tudo que em mim principia
é somente um bem-querer
sem conta e sem medida;
por vós eu daria a vida
de bom grado, cavaleiro
só vós sois o amor primeiro
desta dama, que sem vós
morreria no intento
de achar poiso seguro;
só vós sois o escudo, o muro
que me guarda da maldade
só vós e esta cidade
onde vos dei o meu ser;
por isso, se aqui morrer
deixai meu corpo na bruma
pois esta, como nenhuma
é diversa na beleza...
a esta será devida
saudação e romaria
pois que aqui principia
minha chegada e partida...
ó meu senhor cavaleiro
dono do meu coração
dono de mim, em verdade
se eu morrer nesta cidade
dai meu corpo a este chão!...

Maria Mamede

27 Comments:

Blogger Ana said...

Que bela Cantiga de Amigo, poema de amor!
Foi uma magnífica ideia a tua, esta de dar nova forma às palavras que escreves.
Parabéns, Maria Mamede.
Um beijo.

2:52 da tarde  
Blogger Luísa said...

se eu morrer nesta cidade, semeai meu corpo no chão, regai com água da chuva e deixai que as ervas a arnamentem!
Beijo!

2:53 da tarde  
Blogger Luísa said...

se eu morrer nesta cidade, semeai meu corpo no chão, regai com água da chuva e deixai que as ervas a arnamentem!
Beijo!

2:53 da tarde  
Blogger Maria said...

Linda a tua cantiga de amigo (de amor primeiro).
Amor primeiro, o tal que nunca se esquece...

Um beijo, minha querida Maria Mamede

3:17 da tarde  
Blogger Lmatta said...

lindo poema como sempre
beijos

12:19 da tarde  
Blogger O Profeta said...

Que maravilha de poema...


Doce beijo

12:42 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Parabéns pela aposta feita neste género de poesia. Estou a gostar.
Um beijo.

2:44 da tarde  
Blogger Arménia Baptista said...

Resultou muito bem...deve continuar;))
bjs

2:24 da tarde  
Blogger tinta permanente said...

Eu tinha pedido mais! E leio, releio, ouço-lhe os tons, os sons e os murmúrios que se estendem entre as palavras. E fico à espera... mas agradecido!


abraços!

6:04 da tarde  
Blogger Teresa David said...

CURIOSO QUE TENCIONAVA DIZER EXACTAMENTE O MESMO QUE A SUA COMENTADORA "ANA". DAÍ SOBRE ME RESTA ENVIAR-LHE UM ABRAÇO E FAZER MINHAS AS PALAVRAS DELA.
BJS
TD

8:19 da tarde  
Blogger MPereira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

9:23 da tarde  
Blogger Borboleta said...

Que prazer é este estacionado em tua mente,
Que lhe deixa fincada nessa gazua,
gelada e geniosa.

5:15 da manhã  
Blogger contracena said...

Gosto deste poetar, diferente, de palavras singelas e rico no seu
âmago.

Um beijo.

11:15 da tarde  
Blogger Sofá Amarelo said...

Senti-me recuar no tempo... uns séculos... observar outro mundo, outras escritas, outras maneiras de dizer as coisas...

11:21 da tarde  
Blogger Silent Raven said...

Lindíssimo... Uma voz que canta ao coração.

6:09 da tarde  
Blogger Meg said...

Querida Maria Mamede,

Depois de 2 meses privada de net, por ter mudado de residência, aqui estou de regresso, finalmente, e venho, numa primeira visita, deixar um abraço e a promessa de voltar para ler e comentar, como é devido.

Um beijo

Meg

3:39 da tarde  
Blogger Isamar said...

Uma cantiga de amigo perpassada de amor.A entrega incondicional da amante ao ser amado.

Lindíssimo poema para ler e reler vezes sem conta.

Bem-hajas, Maria Mamede.

Beijinhos

6:30 da manhã  
Blogger Licínia Quitério said...

Fica-te bem um livro assim, Trovadora!

Um beijinho.

8:48 da tarde  
Blogger Maria said...

baelíssimas palavras em seus textos.
bjs

4:14 da tarde  
Blogger Maria said...

Vida(...),
não para de passar.
enorme loucura,
festivais sujeitos a serem reais.

4:15 da tarde  
Blogger Maria Faia said...

Querida Amiga,

Já não me surpreende a beleza da tua escrita, poesia nascida do recôndito de uma alma boa.
Quem nos dera minha Amiga, que em todo o mundo houvessesm muralhas intransponíveis, contra a guerra, o ódio e a maldade. Contra a cegueira do interesse individual, material e egoísta.
Mas, a verdade é que o mundo é composto de bom, mau, medíocre, verdadeiro, falso e dissimulado.
É a natureza humana com todos os seus defeitos e qualidades. E, aqueles que que são verdadeiros são, não raras vezes "castigados" cruelmente, porque as verdades "não são para ser ditas".
Mesmo assim, como tu, peço ao Senhor a quem chamam Deus, Alá, Maomet, Arquitecto, seja lá que nome for, que ajude a humanidade, começando por mim, a saber perdoar e amar.

Um beijo amigo,
Maria Faia

1:40 da manhã  
Blogger Patrícia said...

Poderosa, apaixonante, de tirar o fôlego. É assim que descrevo a poesia que acabei de ler.

Beijinhos Maria=)
Patrícia

7:08 da tarde  
Blogger Teresa David said...

TÃO BONITO O POEMA! MAS NOS TEMPOS QUE CORREM OUVEM-SE MAIS CANTIGAS DE ESCÁRNIO E MAL-DIZER DO QUE PROPRIAMENTE DE AMIGO.
BJS
TD

9:36 da tarde  
Blogger pin gente said...

lindo, lindo, lindo

adoro os trovadores! encontrar aqui uma trovadora foi uma lufada de ar fresco. magnífica "cantiga de amiga"

sim, maria mamede, a luísa sou eu.
também gostei imenso de a conhecer.
vi hoje nas fotos que estivemos sentadas lado a lado.
um beijo grande
luísa

11:00 da tarde  
Blogger tulipa said...

Quero dizer que, estive junto à Tânia nos seus últimos minutos de vida; digo-te que ela partiu em Paz, muito calmamente a alma dela voou para junto de seus Avós e Amigos que já partiram.
Acabou-se o sofrimento.
Disse-lhe isso tudo ao ouvido, além de outras coisas. Dei-lhe muitos beijinhos e fiz-lhe festinhas e, ainda tenho o cheiro dela nas minhas mãos, no meu rosto; aquele cheiro dos cremes que usavam para a massajar diariamente, várias vezes ao dia. Saí de junto dela por volta das 18h 40m, e ela ficou com uma expressão doce no rosto.
Agora, ela precisa que rezemos pela alma dela.
As últimas pessoas que estiveram com ela, foi o namorado que saiu uns 30 minutos antes e eu fiquei junto dela, era algo que já tinha pedido a Deus, que na hora da partida, ela não estivesse só, sem alguém que a amasse e Deus fez-me a vontade.

TÂNIA DESCANSA EM PAZ MEU ANJO.

2:01 da tarde  
Blogger tulipa said...

Este comentário foi removido pelo autor.

2:02 da tarde  
Blogger Maria Faia said...

Lindo Amiga!
A magia contida na palavra sentida e declamada com coração, faz renascer em mim a esperança num mundo novo e a crença de que, um dia, todos irão adorar poesia.
Por vezes oiço dizer:" poesia não me diz nada". E, eu fico a pensar: a quem nada pode dizer a poesia senão a seres sem alma ou coração?

P.S. Há no Querubim uma petição para, se assim o entenderes, assinares.

Um beijo Amigo e votos de Domingo feliz,

Maria Faia

8:55 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home