domingo, março 04, 2007

CANÇÃO DE NINAR

Deixai dormir o menino
que eu estou a embalar
dorme, dorme, pequenino
que a vida te há-de acordar.

Deixai dormir o menino
que no meu colo se aninha
que lindo está meu menino
dentro desta camisinha.

Deixai sonhar o menino
pois se crescer a sonhar
não saberá, meu menino
que a vida o fará chorar.

Ó meu menino tão louro
que no colo me puseram
tu és o maior tesouro
que os Anjos me trouxeram!

Refrão

Ouve o sino, meu menino
dlim-dlão, dlim-dlão
dorme, dorme, pquenino
juntinho ao meu coração.

Escuta o sino, pequenino
dlim-dlim, dlim-dlim
ao acordar, meu menino
Abre os bracinhos pra mim!...

Maria Mamede

17 Comments:

Blogger lena said...

Querida Poeta Maria Mamede, tu encantas com o que escreves e esta canção de ninar é repleta de ternura e carinho, é doce e cheia de amor

escreveres assim, sem seres avó, é uma maravilha, certamente que os teus netos vão ficar orgulhosos deste teu excelente trabalho

ainda queria sonhar como o menino...

escuto o sino e abro os braços para te abraçar, doce Poeta

sinto o embalar doce e terno , beijinhos muitos para ti

obrigada por partilhares este momentos maravilhosos

lena

2:24 da tarde  
Anonymous Jofre Alves said...

Recebi com satisfação o convite, e vim de pronto ver o seu blogue, por onde entrei sempre com grande prazer, para absorver a tangente lírica duma alma de poeta, sensível e intensa com a sua. Óptima semana.

4:59 da tarde  
Blogger un dress said...

comno se acabada de

nas-cer

doce-mente

nas tuas

palavras...

7:12 da tarde  
Blogger bom dia isabel said...

Lindoooooo! Tanta ternura contida nestas quadras fabulosas.Os teus netos irão ficar encantados e orgulhosos.
Gostei muito.
Beijinhos

10:21 da tarde  
Blogger blugaridades said...

" Canção de ninar" um título que , só por si, é uma carícia. Nanar/ ninar são termos que no Sul não se usam e que comecei a conhecer, lá longe, quando tive colegas de Faculdade aí do Norte. Acho-o lindo! Quanto às quadras,minha querida Maria, são tão ternas, tão doces que não haverá menino que não adormeça. E ainda melhor se a sua avó for a autora das mesmas. Ainda que não tenhas netos, por agora, acho que estás a fazer um bom " investimento" nos campos do teu coração. Estarão floridos, verdejantes,aromáticos quando os "ninos" chegarem.
Esta palavra " nino" tem uma carga afectiva muito grande para mim. Saudades profundas de um tal "nino" que habitava o coração da minha mãe. Depois vim eu e ela cantava " Ó papão que estás em cima do telhado deixa dormir a menina um soninho descansado".
Quanto à nossa Florbela faço-te um pedido: vê se há informação sobre o tempo e a casa em que a Florbela viveu aí em S.Mamede de Infesta.
Hoje,alonguei-me tanto!
Ah, gostei muito de ter lido o blogue do José Gomes onde ele fala das noites de Vermoim e de ti. Gostei muito do teu poema apresentado no último sábado.
Beijinhos, amiga!

7:30 da tarde  
Blogger Guilherme F. said...

Passo pelo teu canto para degustar as (tuas) palavras.
Gostei.
bj
Gui
coisasdagaveta.blogs.sapo.pt

7:40 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá Minhas queridas e meus queridos
Amigas(os)!
Venho agradecer a vossa passagem e os vossos comentários, sempre tão carinhosos e fazer um esclarecimento...
Na altura em que comecei a escrever o tal livro, ainda não tinha netos; agora já tenho dois(um rapaz de cinco anos e uma menina de dois)
Claro que é muito cedo para apreciarem estas coisas, ele porque é Luso Britânico e vive em
Inglaterra, ela , pela idade)
Espero que um dia lhas possa ensinar.
A minha explicação preliminar não foi suficientemente esclarecedora, facto do qual peço me desculpem.

Beijos a todas (os) e até sempre.

Maria Mamede

8:42 da tarde  
Blogger Uma vida... said...

Deliciosa canção de ninar...beijos.

9:21 da tarde  
Blogger Alves Bento Belisário said...

Um rio, um travo, um gesto,
Sangue de estrela que violenta e saqueia,...

10:47 da tarde  
Blogger Maria said...

Só me ocorrem duas palavras: Ternura, Amor.

Muito obrigada

2:37 da manhã  
Blogger Conceição Bernardino said...

Olá,

Povo

Ò povo que trais sem saber
O corpo que cansada da luta não
Pode ver

Ò néscio que não tiveste
Quem a ti te ensinasse
A andar.

Ò triste que caminhas com os
Pés dos outros,
Sem saber no que estás a pisar!

Poema da autoria de LILIANA BARRETO do LIVRO POISEIS II

Desejo-te uma bela semana, na companhia deste belo poema que encantou os sentidos.

Beijinhos ConceiçãoB
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

5:06 da tarde  
Blogger Movimento em Defesa do Rio Tinto said...

Acção de limpeza das margens do rio Tinto, dia 10 de Março.
Se não puder participar, colabore na divulgação.
Visite a nossa homepage, para conhecer mais pormenores.

5:11 da tarde  
Blogger Maria said...

Umm beijo especial Hoje, para ti, Mulher!

9:49 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Olá boa tarde a TODAS e a todos também...

Neste dia especial, desejo a todas as Mulheres e principalmente às minhas Amigas, um dia FELIZ, no corpo, na mente e no espírito.
Paz e LUz para toad e todos

Abraça-vos
a
MARIA MAMEDE

4:14 da tarde  
Blogger bom dia isabel said...

Passei para reler e desejar-te um bom fim de semana.
Beijinhos

8:01 da manhã  
Anonymous Jofre Alves said...

Passo não com a obrigação, mas com um prazer imenso em visitar esta magnífica página, cheia de qualidade e bom-gosto, que tanto aprecio e estimo. E com poema de valia descritiva. Bom fim-de-semana.

10:20 da tarde  
Blogger TINTA PERMANENTE said...

Canção de andarilho!...
(lembrei-me do Zé Afonso...)
Abraços, amiga!

5:05 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home