quarta-feira, junho 10, 2009

COMO FOSSE BARRO

Como fosse barro
amasso gotas de saudade
e giro, giro
nesta roda de ausência
enquanto
cozendo a dor
faço em pó
os desejos de afecto...
depois, embrulho em papel
de seda, colorido
meus beijos de bem querer
e entregando-os ao vento
vou por aí fora
à procura de Amanhãs!...


Maria Mamede

22 Comments:

Blogger Paula Raposo said...

Muito belo, Maria! Procurando os amanhãs que nos trarão os sonhos lindos que sonhamos. Muitos beijos.

8:43 da manhã  
Blogger Patrícia said...

É engraçado como o meu novo poema e este "Como se fosse barro" tratam do presente e do passado. Adorei o teu comentário no meu blog, Maria. Foi muito gentil da tua parte e fiquei realmente emocionada pelas palavras que escreveste no meu cantinho.

Desejo-te o melhor,
Beijinhos Maria=)

10:34 da manhã  
Blogger O Guardião said...

O amnhã pode acontecer hoje, tudo (ou quase) depende de nós.
Cumps

12:30 da tarde  
Blogger Maria Faia said...

Querida Amiga,

Já tinha verdadeira saudade de te ler, bebendo as tuas palavras de esperança como hoje!
O Amanhã é sempre um devir e nele desposito, como tu, a esperança num mundo de afectos, de bem fazer, que acabe com o mal fazer deambulante por espaços reais e virtuais.

Para ti deixo um grande abraço com amizade sentida e votos de feriado feliz,

Maria Faia

1:04 da tarde  
Blogger Déia said...

Que lindo! Adorei...é incrível como parece fácil pra vc brincar com as palavras e nos brindar com tanta beleza!
bjs

7:45 da tarde  
Blogger Serenidade said...

O amanhã é ilusão que faz vir a dor ao nosso coração. O agora, neste instante presente, que o foi e já não´o é é o presente momento onde a ilusão se realiza, se revela em algo palpável (ou não!) fruto das nossas vivencias e projecções.

Que o seu amanhã seja melhor que o de ontem ou igual:)

Serenos sorrisos

5:26 da tarde  
Blogger Contracena said...

Tão bonito!!!
Às vezes é tanto assim..., sonhar com o "Amanhã"..., com o que ainda não "sabemos"..., que "desconhecemos"..., apenas desejamos que seja ameno e feliz.

Beijinho Maria Mamede!
Fátima

12:15 da tarde  
Blogger O Profeta said...

Um areal morno acolheu
Teus passos ávidos da chegada
Caminhas na procura das marcas
De uma espera desencontrada

Calmaria!
A bonança reivindicou o Sol no celeste
Uniram-se os pedaços de rasgada vela
Tua alma retomou o sonho adiante


Bom fim de semana



Mágico beijo

1:04 da tarde  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

Maria

também eu vpu por aí à procura de amanhãs.

este teu poema é tao cheio de esperança.

um beij

9:14 da tarde  
Blogger O Profeta said...

Um golfinho salta, voa
Um búzio é tocado pelo vento
Uma andorinha-do-mar sacode as penas
Uma sereia solta um feiticeiro lamento

Um areal morno acolheu
Teus passos ávidos da chegada
Caminhas na procura das marcas
De uma espera desencontrada


Bom fim de semana


Mágico beijo

10:47 da tarde  
Blogger pin gente said...

o ontem ficou perdido na minha boca.
ficou-me o sabor do teu beijo
que não quiseste terminar.
o toque das tuas mãos que fugiram do meu corpo.
fiquei sem saber o que fui para ti!
não consigo pesar o "amo-te" que me deixaste escrito, se o deixaste.
não consigo medir as lágrimas que chorámos, se as tuas foram lágrimas.
imiscíceis pela saturação de sal, não confundirei as choradas dos meus olhos.
ontem, o teu choro não me salgou a pele. guarda o sal nos olhos
e, sempre que chorares, prova as tuas lágrimas sem sabor.
eu já parti...
sei que amanhã terei mais lágrimas, que as vou encontrar
e todas elas com sabor a verdadeiro amor.

um beijinho, maria
luísa

12:50 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Molda também as asas para voares até ao infinito daquilo que desejas.
Um beijo.

12:02 da tarde  
Blogger Filoxera said...

Que os amanhãs te tragam o que desejas e a inspiração continue do teu lado.
Beijos.

11:31 da tarde  
Blogger Elaine said...

Olá!
Estou passando para conhecer seu blog um pouco mais.
E também para desejar uma boa semana, cheia de coisas maravilhosas e com muita inspiração para as suas poesias.
Beijos.
Fique com Deus.

4:28 da tarde  
Blogger Meg said...

Maria Mamede,

Há sempre nos teus poemas palavras que me aprisionam...

...cozendo a dor
faço em pó
os desejos de afecto...


Lindo, minha amiga

Um beijo

11:55 da manhã  
Blogger Nilson Barcelli said...

O teu poema revela o teu espírito positivo.
Para além disso está escrito de uma forma excelente. Parabéns poetisa.
Um beijo querida amiga.

6:23 da tarde  
Anonymous Manuela Carneiro said...

Belo poema!
Envolves os sentimentos com tanto carinho, que até a dor é amada e colorida.
E... vais por aí fora a sonhar, confiante.
Vives na energia boa da natureza!!
Mts bjis

12:24 da tarde  
Blogger Ed. G said...

Olá Querida Amiga,

Mas que palavras tão encantadoras me deixas ler. Fiquei maravilhado com este poema sublime.


Um bj,
de quem adora ler-te,
Ed.G

11:45 da tarde  
Blogger elvira carvalho said...

E que belas obras a amiga deve fazer que às vezes a saudade é tanta...
Um abraço

1:58 da tarde  
Blogger De Amor e de Terra said...

Minha querida Manuela, obrigada pelas tuas palavras, tão carinhosas.
É bom saber que gostam de nos ler!
Agradeço-te deste modo, já que, pelo memos que eu saiba, não tens blog.
Beijos
M.M.

7:19 da tarde  
Blogger avlisjota said...

Tão puro, quanto a mãe natureza!
o bem querer vento fora...

Como gosto amassar o barro, e lhe dar formas, sentir a terra nas maõs, sentir que estou com a mãe natureza e ela comigo..

Gosto deste poema, por vezes é mesmo como se fossemos barro...

Beijos José

9:36 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Julgo haver um tempo que aqui não vinha. Férias...

O blog continuo atractivo e interessante.


Bjs

12:59 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home