sexta-feira, maio 08, 2009

POEMA PRA DEPOIS

Quando um dia eu for
prado verdejante
no mar uma onda
nuvem no anil
quando a minha essência
for somente o instante
a rosa de maio
ou o cravo de abril
quando a minha dor
for lago sereno
ou um dia ameno
de suaves ais
poderei dizer-vos
eternos amores
já não terei dores
às do mundo iguais...
então meus Amigos
não choreis por mim
estarei feliz
por vos ter amado
a Paz suprema
terei alcançado
e terei regressado
ao pó de onde vim!...


Maria Mamede

23 Comments:

Blogger Maria said...

Terrivelmente bonito!
Saio com água nos olhos, não sem antes te dar

Um beijo grande, Maria Mamede

2:26 da tarde  
Blogger Patrícia said...

Este poema é extraordinariamente forte, cheio de palavras suaves mas que transmitem bravura e coragem. A forma como todo o poema se desenrola, como li de um trago e no fim fiquei desiludida por ter acabado pois envolve de tal maneira que é difícil parar de ler.

E muito pouca gente, neste mundo tão vasto que é a poesia, consegue fazê-lo.

Beijinhos Maria=)
Patrícia

4:04 da tarde  
Blogger O Profeta said...

Sublime...!


Doce beijo

4:36 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Maravilhoso! Muitos beijos.

4:52 da tarde  
Blogger Maria Faia said...

Querida Amiga Maria,

Vim aqui solicitar-lhe que passe pelo Querubim. Tem lá algo à sua espera.

Um beijo amigo, com votos de Bom Fim de Semana,

Maria Faia

9:59 da manhã  
Blogger Ana said...

Pó de estrelas, centelha divina, a inspirar a forma bela de falar do depois.
Mas que seja muito, muito depois.
Um abraço grande com amizade, Maria Mamede.

12:37 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Bem bonito, o seu poema!

Beijinhosss

1:38 da manhã  
Blogger Graça Pires said...

Um poema cheio de singeleza e emoção.
Um beijo.

1:32 da tarde  
Blogger casa da poesia said...

..."a minha essência...for o instante"...!!!belo!...e para ti poetiza...

"Ima phuyun jaqay phuyu."

besos.

7:11 da manhã  
Blogger Meg said...

Querida Maria Mamede,

Este poema deixou-me sem palavras.
Porque me comoveu, pelo testemunho de sentimentos desencontrados...
os que senti...
Belíssimo, como tudo o que escreves, Maria!

Um beijo

6:58 da tarde  
Blogger Nilson Barcelli said...

Mas o agora, com o teu poema, ficou mais ameno e bonito.
Vale a pena ler a tua poesia.
Querida amiga, tem uma excelente semana.
Beijo.

7:04 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Obrigado pelas palavras deixadas no meu blog de poesia.

Bjs

9:59 da tarde  
Blogger Ed. G said...

Olá Maria,

Este poema que escreves...Bem depois de tantos elogios, de facto, não sei o que dizer... Apenas que, perdi-me nas entrelinhas e fui aonde há muito nao tinha ido.
Devo acrescentar que, foi com muito prazer que o li.

O Ser humano vive com medos e receios do amanhã, depois de ler este poema, transformei-me... Nos ultimos tempos, não tenho lido palavras tão sublimes como as que escreveste.

Muito Lindo, Fantástico...

"Parabéns pela obra prima"

Bjs Lusitanos,

Edg

1:56 da manhã  
Blogger José Rui Fernandes said...

Rosa de Maio, cravo de Abril, a sua essência será flores de todo o ano.
As flores que tem semeado ao longo da vida serão jardim na eternidade. Serão verso infinito no grande poema do Imortal!

10:41 da manhã  
Blogger O Profeta said...

Um Violoncelo reage ao toque
Vibram as cordas, solta-se a melodia
Das mãos escultoras das notas
Saem afagos de sonora magia

Uma alma reage aos acordes
Um coração bate ao compasso
Uma voz entoa dolentemente
Um corpo deseja o abraço


Boa semana


Doce beijo

12:30 da tarde  
Blogger atma atom said...

Cria poesia muito bela.

O ritmo e a serenidade das palavras quase fazem esquecer a seriedade do tema... :)

E hoje venho lembrar que o planeta Terra precisa de nós:

A data aproxima-se... 6 e 7 de junho em Lisboa.

I CONGRESSO INTERNACIONAL DE SINCRONIZAÇÃO COM O PLANETA TERRA

http://www.congressoterra2009.mtp.pt/
http://www.portugraal.org/lresina/html/home.html

Não falte ao Congresso. Vai gostar com certeza...

Até breve.

10:43 da tarde  
Blogger Contracena said...

Hoje, já consigo escrever que este poema é espantosamente Belo.

Hoje, já consigo escrever que há quem regresse ao pó de onde veio com uma coragem inabalável e um sorriso nos lábios!
Porque o posso fazer? Porque estive sempre presente, dia e noite! Também com uma coragem inabalável e um sorriso nos lábios!

O depois..., foi o depois..., sem coragem, sem sorriso, sem Nada!

9:47 da tarde  
Blogger casa da poesia said...

...eternos amores...já não terei dores...oh mariasilva...oh silvamaria!...lindo!

"dá-me mil beijos...e mais cem e...novamente mil e mais cem...e depois mais mil e mais cem..."

11:20 da tarde  
Blogger O Profeta said...

Obrigado pelo lindo poema e "ventuira.armando@hotmail.com"


Doce beijo

4:22 da tarde  
Blogger Lmatta said...

belo poema como sempre
beijos

4:24 da tarde  
Blogger ~*Rebeca e Jota Cê *~ said...

Adorei!

11:15 da tarde  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

excelente!

comovente!

sublime!

beij

7:17 da tarde  
Blogger ~*Rebeca e Jota Cê *~ said...

Maria, quando encontramos a poesia pela sua pura e simples forma de nos fazer ir e voltar, de sabe-se-lá-onde, é bom demais. Tornar a despedida suave. Gostei muito.

Quanto ao amor de verdade, enquanto a idade não chega, só quero mansidão depois do amor bem feito... e quando a idade chegar, se a tormenta parar, que o sossego se instale mesmo!

Jota Cê

-

1:23 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home