quarta-feira, dezembro 08, 2010

S/ TÍTULO - (In) "A Casa Silente"

Olho um retrato
a amarelo e preto
e vejo o degredo
de durar…
viver, é como navegar
nas águas turvas
do meu pranto…
ó caminho de luz
que eu quero tanto
neste amarelo
que me invade
cresce e arde
esta ansiedade
em rubros desafios
que o fogo consome…
à lareira
desta casa quieta
há na maceira
uma gaveta
apinhada de cheiros
doutras eras;
e o pinho, o sobro
o cipreste
ardem na paixão
que me disseste
mas que nunca puseste
em minha mão!...


Maria Mamede

20 Comments:

Blogger Lmatta said...

lindo como sempre
beijos

3:18 da tarde  
Blogger Filoxera said...

Lindo poema de nostalgia.
Beijos.

4:55 da tarde  
Blogger Licínia Quitério said...

Lindo, Maria Mamede. Como gostei!

Um beijo, Poetisa.

9:23 da tarde  
Blogger ☆Fanny☆ said...

Lindo, Maria.

Mais um poema de uma beleza ímpar. Nostálgico, mas que nos enleva os olhos da alma.

Beijinho*

Fanny

1:02 da manhã  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

nostalgico, mas o amarelo um dia vira sol...

beij

8:15 da tarde  
Blogger AC said...

Um olhar sobre o tempo passado, com o sentido no fervilhar da vida para lá das paredes...

Bj

1:40 da tarde  
Blogger Aquarela said...

Que belo poema Maria!Maravilhoso!
Beijo grande
ana

7:44 da tarde  
Blogger O Profeta said...

...Quem sou
Nunca me encontrei na letra de uma canção
Nunca toquei duas notas seguidas em harmonia
Mas perdi-me às vezes na ilusão

Reencontrei-me com o amor
Amargura mora sempre com a razão
Um mágico nem sempre acerta
No seu golpe de mão

Mas fiz mil tentativas nesta viola
Nenhuma nota bateu-me certa
Sou um triste e patético tocador
Desta...Melodia Incompleta...

Doce beijo

9:29 da tarde  
Blogger Janaina Cruz said...

A vida não nos dá nada de mão beijada, as vezes é lapidando tristezas que conseguimos alçar paixões inesquecíveis...

4:24 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

" o pinho, o sobro
o cipreste
ardem na paixão
que me disseste
mas que nunca puseste
em minha mão!..."
Lindo!
Beijos.

11:58 da manhã  
Blogger Mariz said...

Salvé Maria Mamede

Cheguei...não me lembrava já qual o caminho para o seu blog.
Agora sei e principalmente...porquê.
Grata pela "confidencialidade", embora eu pense que "também" é por aqui que a energia flui e se propaga, nem que para isso tenhamos de "suportar" alguns malfeitores que aparecem para desestabilizar... - sempre foi assim ao longo dos tempos..porque razão seria diferente agora, se estamos nos finais dos tempos?!

Apareça...gostei muito das suas palavras e intenção, creia.
Sempre...
Mariz

ESPAVO! - econhecendo a LUZ que há em si - como em Mu (Lemúria)

11:31 da tarde  
Blogger Mariz said...

Ah! Esqueci do mais importante:
gostei demais do poema..sentido!

Abraço meu
Mariz

ESPAVO!

11:33 da tarde  
Blogger Nilson Barcelli said...

Excelente poema.
Já andava com saudades de te ler, querida amiga.
Beijos.

12:24 da manhã  
Blogger Janaina Cruz said...

A paixão que nunca nos põem na mão, são feitas de cores, de um retrato esquecido, deixado de lado, mas basta um olhar e nos remetemos ao tempo que foi vivido... Eita que coisa linda esse versejar...
Um abração minha querida, aproveite bem o fim de tarde :)

6:14 da tarde  
Blogger tecas said...

«desta casa quieta
há na maceira
uma gaveta
apinhada de cheiros
doutras eras;» Acho conhecer este teu poema...Maraia do Céu. É lindo, como todos que escreves. Nostalgico onde deixas transparecer a saudade.
Bjito e um Santo Natal.

9:26 da tarde  
Blogger Patrícia said...

Olá Maria.
Olha, todos os poemas que leio aqui, têm um pouco de ti ou dos teus estados de espírito. E saber um pouco de ti através da tua poesia, é poder mergulhar nos mais calmos e serenos, por vezes nostálgicos mares, ou simplesmente ficar em casa, contemplando uma paisagem e deixando-se levar por uma poesia intemporal.

Beijinhos Maria=)
Patrícia

12:25 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Um beijo e Feliz Natal e um Ano novo MELHOR.

1:53 da tarde  
Blogger Licínia Quitério said...

Festas Felizes. Ano Novo repleto de Poesia.

Um beijo, Maria Mamede.

9:50 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

CARA CONFRADE

Viva a poetisa MM


.........
ardem na paixão
que me disseste
mas que nunca puseste
na minha mão.

A sua poesia preenche as características que eu exijo para que um texto seja considerado de poesia: O ENCANTAMENTO.

Além da mensagem que a MM quer deixar, o poema lê-se muito bem, até mesmo às quatro da manhã depois de uma ceia bem regada, com quatro ou cinco amigos sentados na soleira da porta principal de um monte alentejano, com um puro "en sus manos" e com o luar de Agosto a beijar-lhes as faces.

Até se poderia subir "au premiere etage" de un chaparrro e daí dizer o poema,

Com voz firme e segura
e audível
a médio tom
com arrebatamento na parte final,
que está aí acima e é por onde eu começo este pequeno comentário.

Cara Amiga,
como são lindos os teus poemas:

Têem a doçura das romãs
a beleza das hortênsias
e o perfume das rosas.

a tua poesia é primavera
é Fernando Pessoa (nalguns aspectos)
é Torga nas fragas
e é Sophia em muitas coisas.

Apetece-me saltar para o palco, imaginar pessoas na plateia e recitar os teus versos.

Respeitosos cumprimentos do
João Brito Sousa

11:38 da manhã  
Blogger Aquarela said...

Maravilhoso Maria, Muito belo!
beijinhos

9:16 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home